segunda-feira, 29 de abril de 2013

"Tante Ju"


É um dos últimos da sua espécie!
O Junkers Ju 52 é conhecido como "Tante Ju" (Tia Ju) ou Auntie Ju, e foi também apelidado pelas tropas aliadas durante a Segunda Guerra Mundial como "Iron Annie".
É um avião com 3 hélices accionados por motores de pistões, fabricado entre 1932 e 1945 pela empresa Junkers, e tem capacidade para 17 passageiros.
A sua fuselagem é coberta com placas de ferro onduladas e tem excelentes qualidades de voo, com baixa velocidade de cruzeiro 190 km/h. Foram contruídos quase 5000 aviões deste tipo.
Em 2005 havia apenas oito aviões que ainda voavam, em demonstrações ou voos de nostalgia. Existem mais alguns em exibição em museus na Europa e América, nomeadamente em Portugal, no Museu do Ar, e no Brasil, no Museu Asas de um Sonho, São Carlos.
Este avião, o Junkers Ju 52, D-CDLH, adquirido pela Lufthansa em 1984, é o mais antigo dos que ainda voam. D-AQUI, pintado nas laterais, é a inscrição original do avião.

 
O adeus de Leer e até para o ano!

Vamos à sua história (conforme as fontes consultadas)...
(ver página seguinte)



Foi produzido em 1936 com número de série 5489, e teve o registo D-AQUI "Fritz Simon"; posteriormente foi vendido em 1936 para a DNL Det Norske Luftfartsselskap (companhia aérea norueguesa) mudando o nome para LN-DAH "Falken".
Em 1940 foi confiscado pelo exército alemão e voltou ao registo foi dado o antigo registo D-AQUI, mas com o nome "Kurt Wintgens".
Após a guerra, os aliados devolveram o avião aos antigos proprietários, a DNL. Registado como LN-KAF "Askeladden", serviu no trajecto Tromsø - Kirkenes, na costa norueguesa desde 1948 até 1956.
Ficou estacionado no aeroporto Fornbu de Oslo por um ano, sendo vendido para a empresa Transportes Aereos Orientales do Equador, onde passou a ter o registo HB-ABS "Amazonas". Ficou fora de serviço em 1963 e permaneceu no aeroporto de Quito por seis anos.
Depois foi comprado pelo ex-piloto da força aérea americana Lester Weaver por 52500 US$, e registado como N130LV, com a categoria de "experimental", pelas autoridades norte-americanas.
No ano de 1975, o escritor dos EUA Martin Caidin comprou o avião por 150 000 US$, baptizando-o como "Iron Annie". Com o novo registro N52JU, foi utilizado em exibições aéreas até a Lufthansa o adquirir em dezembro de 1984.
Voou até Hamburgo via Gronelândia, Islândia e Inglaterra. Obteve como novo registo oficial o D-CDLH, e foi baptizado como "Tempelhof". No entanto, o antigo registo D-AQUI também está pintado no avião de forma a lembrar o seu registo original.
O avião circula por vários locais da Alemanha.
Esta não é a primeira vez que vem a Leer.
Desta vez esteve 3 dias, e fez vários voos pela região para passageiros (leva 17 passageiros), a preço de 199 Euros, mas sempre cheio (ver aqui programa e preços para este ano).
Ontem às 16 horas partiu (cheio!) para Bremen.



Havia muitos espectadores e por isso nem valia a pena ir de carro ara o aeródromo de Leer, estradas e parques estavam cheios de automóveis estacionados um pouco por todo o lado.




E com o dia tão bonito a melhor solução foi mesmo ir de bicicleta. Afinal difícil, mesmo difícil, foi encontrar lugar para deixar as bicicletas :-)

Fontes utilizadas:
http://pt.wikipedia.org/wiki/Junkers_Ju_52
http://www.historische-fluege.de/seite02.html

Uma última palavra:
Mais uma vez, e não é só nos monumentos e edifícios, percebe-se que a Alemanha mostra como sabe estimar o seu património cultural.
Já estou a preparar uma viagem num dos muitos comboios a vapor que ainda circulam por cá :-)



 

Para terminar o passeio de bicicleta de Domingo em beleza, só faltava este momento bucólico e genuíno da frísia :-)

2 comentários:

  1. Gostei imenso de ler e de ver as fotos.

    ResponderEliminar
  2. Bela reportagem sobre esta relíquia voadora. De facto, a ver pelas imagens, o dia estava espectacular.

    ResponderEliminar