quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

O Caminho...


Por favor deixem a música tocar e leiam o resto...

Hoje de manhã, não me vesti a condizer para ir de bicicleta comprar o pão como é costume.
Tal como ontem também hoje parecia que experimentávamos todas as estações do ano no mesmo dia. Ora fez sol, ora nevou, ora choveu granizo, depois fez sol outra vez, e assim por diante. Pelo menos, o gelo e a neve não ficaram muito tempo :-)
Então decidi ir de carro. A padaria é perto, a menos de 5 minutos.
Quando lá cheguei a Frau Fischer que já me conhece, retribuiu a saudação matinal e perguntou sorridente, "um pão "Feuerkruste" cortado fininho, não é?".
É bom ser recebido assim, e ser servido assim.
Na Alemanha os clientes habituais são chamados de Stammkunden e têm direito a estas atenções especiais :-)
Depois de um "Feuerkruste", duas bolinhas com sementes e um "croissant" (coisa que pronuncio de um modo que os alemães nunca me entendem à primeira, e ainda não percebi porquê :-), regressei pelo caminho habitual.
Liguei o rádio do carro, numa estação de musica clássica, e de repente dou por mim a passar pelos campos pintados de branco e a ouvir Meditation da opera Thais, de Jules Massenet.
Estava no paraíso!



Mais tarde partilhei por email o meu começo de manhã com alguns amigos, e gostaria de também partilhar convosco o comentário que o meu amigo Manuel Maria fez sobre a minha história de hoje:

"Vejo nesses breves mas intensos momentos do dia a dia (desde o gesto e atitude da padeira até aos acordes de um Massenet), com a companhia e harmonia cúmplice de um cenário natural raro, o verdadeiro e genuíno rosto do que é a Felicidade.
Alguém disse, e bem, que não é a meta mas sim o caminho."



Sim, acho que é um caminho ... e também uma escolha.
Obrigado Manuel Maria, pelas beleza das tuas palavras e pela tua amizade. 
Um grande abraço para ti.

3 comentários:

  1. Perfeito. Imagem, música tudo lindo.
    Reconhecer a felicidade também é uma arte.
    xx

    ResponderEliminar
  2. Uma belo exercício e reflexão inspirada na bondade humana, conjugando-se (depois) o elemento visual e musical, tudo fazendo sentido quando, em harmonia e felicidade o Caminho se nos apresenta...
    Obrigado pela partilha, caro amigo Luís! Abraço

    ResponderEliminar
  3. Já agora que se fala no entusiasmo do caminho com música a preceito, não resisto a deixar aqui as poéticas palavras do grande sevilhano Antonio Machado:

    "Caminante, son tus huellas
    el camino y nada más;
    Caminante, no hay camino,
    se hace camino al andar.
    Al andar se hace el camino,
    y al volver la vista atrás
    se ve la senda que nunca
    se ha de volver a pisar.
    Caminante no hay camino
    sino estelas en la mar."


    ResponderEliminar