terça-feira, 3 de março de 2015

A arte mais pura


Na semana passada, numa certa manhã, tinha eu acabado de acordar, fui surprendido pela beleza do trabalho que a Natureza fez durante a noite, nas janelas inclinadas do nosso telhado.
Simplesmente incrível!
No lado sul o sol já batia na janela e não tive muito tempo para fotografar antes de os cristais de gelo começarem a derreter. 
Do outro lado da casa, mais frio, ainda consegui bater umas chapas.
Fiz uma "revelação fotográfica" a preto e branco, bem contrastada, de forma a realçar os padrões dos cristais de gelo que se formaram.
Mas fora a revelação, o resto é totalmente natural e selvagem.
Ou melhor, parece selvagem mas não é :-)




Estas "flores" (chamam-se em inglês "frost roses" ou "frost flowers") formam-se quando o ar húmido, e mais quente, entra em contacto com a superfície do vidro mais frio, e com temperatura abaixo do ponto de congelação.
A forma é determinada por vários factores como, por exemplo, a limpeza do vidro e a sua temperatura, a temperatura do ar e o grau de humidade.
As moléculas de água só começam a cristalizar no vidro se houver um "encontro" de várias moléculas no mesmo local e ao mesmo tempo. Com uma janela muito limpa, provavelmente não existirão muitos pontos de "nucleação" (pontos discretos onde se começa a aglutinar matéria) para os cristais se fixarem ao vidro.
Pelo contrário, com sujidade e impurezas é mais fácil este fenómeno acontecer.
Por esta altura devem estar a chamar-nos "porcos", que não lavamos as janelas :-)
Curiosamente estas janelas foram limpas há menos de um mês, mas com a construção de um novo bairro aqui ao lado é natural que mais pó se agarre às janelas.
A forma dos primeiros cristais que se formam é hexagonal. Depois, a partir dos vértices do primeiro hexágono, os cristais vão seguindo o seu caminho. As formas tornam-se mais irregulares, e aparecem com uma arrumação mais selvagem, porque a natureza é esperta, procura o caminho mais fácil, onde despende menos energia.
Imagino que o vento no exterior também tenha dado uma ajudinha a essas formas.
Só mais uma coisa. Lá fora os carros também tinham os tejadilhos "decorados" pela artista :-)






7 comentários:

  1. Lindas! As fotos são maravilhosas e ainda bem que vieram com a explicação do fenómeno que eu desconhecia completamente.
    É caso para pedir que não se lavem as janelas no inverno.:)))
    Parabéns.
    xx

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pela excelente ideia, Papoila!
    Assim tenho desculpa para não as lavar durante mais um mês :-)

    ResponderEliminar
  3. Nunca tinha reparado/visto! : ) muito giro.

    ResponderEliminar
  4. Assim, também nunca tinha visto. Não temos janelas dessas, cá em casa. Lindo trabalho da Naturaeza e lindas fotografias :-)

    ResponderEliminar
  5. Que a acção da natureza é fascinante, disso não tenho dúvida.

    Mas admirável é a tua atenção a estes pormenores, e seu registo, para além da dissertação sobre a complexidade do singular fenómeno.

    Como não podia deixar de ser os registos de facto ficaram simplesmente fabulosos!

    Parabéns e um grande abraço!

    ResponderEliminar
  6. Como é estranha e bela a artista "Natureza"! Esta obras são como impressões digitais do acaso...mas não tão casual dadas a reunião das "circunstâncias determinantes"!!!
    Belas e preciosas imagens Luís, registos iguaizinhos a esses... só 1x na vida :))
    Abraço

    ResponderEliminar
  7. Caríssimos Yako e Luís, obrigado pelos comentários, ainda por cima vindos de distintos fotógrafos :-)
    Abraço

    ResponderEliminar