segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Diário de uma flor silvestre


De manhã, antes do nascer-do-sol, acordo ensonada e fechada. Depois, à medida que a luz invade o jardim, vou ficando mais alegre.
Se algumas nuvens escuras se aproximam, sou esperta e escondo-me logo.
Se fico triste, choro, e as minhas irmãs choram comigo :-(
Mas se o sol resolve aparecer, descarado e lindo, a alegria invade-me, enche-me de luz e sinto-me o centro do Mundo.
Ou pelo menos deste jardim :-)
À tardinha preparo-me para a noite, que já é fria (9 graus) e abrigo-me outra vez no meu pijama de pétalas cor-de-rosa :-)
Até amanhã!

5 comentários:

  1. Lindo diário e excelente trabalho :)
    Um abraço daqui dos suis, Luís!

    Cumps

    IR

    ResponderEliminar
  2. Luisamigo

    Fotos - magníficas!!!

    Texto - excelentíssimo!!!!!!!

    Obrigado

    Sff passa na Travessa - e comenta

    Abç

    ResponderEliminar
  3. Muito agradecido a todos pelos simpáticos comentários. Fico muito feliz por terem gostado :-)
    Abraços

    ResponderEliminar
  4. É bom quando a natureza nos suscita a dizer coisas simples perante as maravilhas da sua criação…

    Ressonância de Alberto Caeiro, com deliciosa ilustração.

    ResponderEliminar