quarta-feira, 27 de agosto de 2014

O "verdadeiro" bacalhau

Já sei que os meus amigos irão retorquir dizendo que o verdadeiro bacalhau é o salgado e apetitoso, o verdadeiro bacalhau "português".
"Português", pela tradição e forma como está enraizado na nossa cultura e gastronomia. Sabemos que muito vem da Noruega mas curiosamente o Instituto Nacional de Estatística refere que as importações de bacalhau em 2013 foram quase todas da Suécia. É, aliás, o produto alimentar mais importado em Portugal. Pena que o nosso país tenha deixado de fazer essa pesca e já quase não existam fábricas de salga de bacalhau.
Como os amigos estão longe, e o povo diz "longe da vista, longe do coração", então o tal bacalhau genuíno, o salgado, o bom para o coração e hipertensão, não me chega até cá e também nunca arrisquei a comprar pelo correio.
"Quem não tem cão, caça com gato", hoje estou só com ditados populares :-), e assim consegui finalmente encontrar o verdadeiro Gadus Morhua, o príncipe dos peixes do Atlântico, fresco, tão fresco que até é congelado :-)
Na Alemanha chama-se "Dorsch" ou "Kabeljau", mas penso que sob este último nome também são vendidas outras espécies "aparentadas", como por ex. o Gadus Macrocephalus, do Pacífico.
De qualquer forma aqui fica a informação de que a designação "Dorsch" tem origem nas línguas dos povos do Báltico. Na Noruega, Dinamarca e Suécia o bacalhau do Atlântico é chamado "Torsk"; o bacalhau do Ártico é chamado "Skrei" na Noruega . Na Holanda chamam-lhe "Kabeljauw", é conhecido nos países de língua inglesa por "Cod", na França por "Morue" e na Rússia por "Treska".
Como se pode ver no prato (bastante simples e dietético, só para efeito ilustrativo no blogue) pela pele e textura o bacalhau fresco é  muito semelhante ao salgado :-)
Curiosidades:
É o produto alimentar que Portugal mais importa:
No Brasil decresceram as importações de bacalhau propriamente dito, mas aumentaram as importações de filé de bacalhau, produzido na China:

Mais Postais com bacalhau:
http://postaisalemanha.blogspot.de/search?q=bacalhau

Aditamento em 28-08-2014:
Fiz uma alteração no 2º parágrafo em relação ao que escrevi no postal inicial.

13 comentários:

  1. Conheci, uma vez, um inglês casado com uma portuguesa. Viviam os dois em Inglaterra e, sendo eu casada com um alemão e a viver na Alemanha, começámos a falar nas viagens e do que os portugueses não dispensavam na bagagem. Chegou a vez do bacalhau e eu disse que não costumava levar. O inglês escancarou os olhos e disse-me eu ser a única pessoa portuguesa que ele conhecia que não transportava bacalhau na bagagem ;)

    Já tenho comprado fresco, mas limito-me ao "Kabeljau". Não sabia que "Dorsch" também era bacalhau.

    ResponderEliminar
  2. Cristina, o "Dorsch" surpreendeu-me de forma muito positiva :-)
    De tal forma que da próxima vez tentarei as minhas panquecas de bacalhau, que faço com a mesma massa dos pastéis mas na forma de panqueca, porque é mais fácil de fritar e gasta menos óleo :-)

    ResponderEliminar
  3. O inglês ficaria mais convencido de que nem todos os portugueses levam ou trazem bacalhau quando lhe dissesse que eu tb o não faço e nenhuma das minhas amigas portuguesas. : ))

    Luís, nunca provei bacalhau fresco. Cheguei agora a casa e se alguém me tivesse preparado um prato assim, eu teria ficado tão feliz!!! A sua mulher é uma mulher de sorte!! : )

    ResponderEliminar
  4. Luísamigo

    Gosto do bacalhau fresco e há receitas de salivar (e esta, hem?).

    Quanto aos nomes do divino peixe é engraçado que estrangeiros de fora digam cabeljaw; termina em au; adoro a etimologia.

    Porém, o nosso bacalhau importado sobretudo da Noruega e não da Suécia tem mil e uma maneiras de ser cozinhado. E adoro todas... rrrsss

    De qualquer modo, aprendi contigo - e muito. Obrigado.

    E quando for lançado o meu novo livro gostaria muito de contar contigo, o que me parece pouco possível. Mas compra-o pela net, sff

    Abç

    ResponderEliminar
  5. Bacalhau, esse inesgotável filão de culinária… no teu caso muito bem confeccionado e apresentado (a ver pela apetitosa fotografia), em versão fresco.

    Já vi que te tornaste uma verdadeira enciclopédia no que ao “fiel amigo” diz respeito, gerando preocupação acrescida quando em frente do prato tiver de o enfrentar, questionando-me: afinal que raio de Gadus é este?

    Grande abraço, Luís!

    ResponderEliminar
  6. Catarina,depende, tem dias, umas vezes é a minha mulher que tem sorte, mas a maioria das vezes sou eu que tenho :-)

    ResponderEliminar
  7. Henrique amigo:
    Todos sabemos que o bacalhau vem da Noruega, se não não tem cheiro, mas não te deste ao trabalho de ler a minha referência.
    Os dados são do Instituto Nacional de Estatística, o bacalhau até pode vir da Noruega mas as importações referentes a 2013 são através da Suécia. Não me perguntes porquê :-)
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Um grande abraço também para os meus amigos Yako e Eduardo :-)
    Quanto à expressão popular, sobre a qual o Eduardo deixa um reparo de que ditado original será "Quem não tem cão, caça como gato", sempre o ouvi na versão mais popular do "caça com gato" :-)
    Mas isso será objecto de um próximo postal, pode ser?

    ResponderEliminar
  9. Que interesante, isso das panquecas! Presumo que são fritas na sertã, em vez de na fritadeira...

    ResponderEliminar
  10. Exactamente, Cristina!
    A mesma massa e depois faço "panquecas", achatando a massa, que frito na sertã :-)

    ResponderEliminar
  11. matarsaudades.com e outros sites do gênero enviam tudo por correio, inclusive bacalhau, bolacha maria, sumol, queijinhos e vinho. Vale a pena. Ja encomendamos 2x e ficamos muito satisfeitos.

    ResponderEliminar
  12. É sempre bom saber, Miss Txu, muito obrigado. Já conheço outros sites, até aqui na Alemanha, mas o que escrevi no blogue era mais para ver se conseguia que os amigos de Portugal se lembrassem de enviar uns mimos de vez em quando :-)

    ResponderEliminar